domingo, 3 de outubro de 2010

.. ao desconhecido, com carinho.

Lembro do silêncio do teu olhar em meio a tanto tumulto. E como haveria eu, de esquecer? Sim, já que foram os teus olhos que me despertaram a atenção e que me desligaram daquela imensa multidão. Meu ponto de paz, foi assim que eu defini você naquele momento. E como se não bastasse eu te definir como meu, pensamentos se voltaram ao toque, às palavras, ao próximo passo ... E em frações de segundos você se tornou tudo aquilo que eu queria, porém impossível naquelas circunstâncias. E então fiz de seus olhos um retrato, e guardei com carinho em minhas lembranças, mesmo sem sequer saber seu nome.
Capture it, remember it.

5 comentários:

Jéssica Trabuco disse...

"Meu ponto de paz, foi assim que eu defini você naquele momento."

O amor nos faz poetas ;)

Rick disse...

Passei por aqui...

Bjs!

Mαriα Pαulα disse...

Ah, rick..
Volte sempre (;
;**

Mônica Pinheiro disse...

Que amor avassalador! Mas é assim mesmo, pois ele chega sem pedir licença.

Abraços

http://www.redenacional1.blogspot.com

Gabriel Pozzi disse...

gosto do modo como seu texto é paradoxal, afinal, embora você o destine a um desconhecido, você o torna um conhecido no momento que o define como seu "ponto de paz".
um texto sobre amor platônico?
gostei do seu blog!

http://songsweetsong.blogspot.com/